• icon Físico Químico
  • icon Contagem de partículas
  • icon Infravermelho FTIR
  • icon Análise de Metais
  • icon Ferrografia Analítica

Viscosidade

A viscosidade é a propriedade mais importante de um óleo lubrificante e é fundamental para proporcionar uma melhor resistência de filme, com o mínimo de perdas por atrito, evitando o contato metal-metal, arraste, microdesgastes e e desgaste de superfícies deslizantes. Sempre referido à uma temperatura padrão - geralmente 40 ° C ou 100 ° C - a viscosidade do óleo lubrificante do motor pode cair devido aos seguintes fatores: diluição de combustível, completando-se com um tipo de óleo incorreto, ou adição incorreta de aditivos. Por outro lado, a viscosidade lubrificante pode aumentar devido à excessiva carga de fuligem ou se o sistema de filtragem não está funcionando corretamente. Para todos os óleos, o envelhecimento causado por oxidação e degradação térmica pode levar a espessamento e aumento da viscosidade.

Água


A contaminação por água pode causar diversos problemas em diferentes tipos de óleos lubrificantes, sendo a corrosão sempre diretamente assoaciada com a infiltração de água. Seja qual for o equipamento, a água pode deslocar o óleo em superfícies de contato, reduzindo a quantidade de lubrificação e ativar as superfícies que podem, elas próprias agem como catalisadores para a degradação do óleo. A água é um contaminante importante em muitos sistemas de lubrificação de óleo devido ao seu potencial para causar a falha por meio de diversos mecanismos. A contaminação por água dentro de tanques de armazenamento de óleo lubrificante pode levar ao crescimento microbiológico, formação de mofo, leveduras e bactérias que vão entupir filtros e muito rapidamente corroer os sistemas de combustível.

Há muitas fontes potenciais de contaminação por água em óleo lubrificante em qualquer sistema, incluindo:

Vazamento de resfriadores de óleo, resfriadores de ar de sobrealimentação e bobinas de aquecimento a vapor ;

Condensação da umidade atmosférica ;

Blow-pelos gases provenientes dos espaços de combustão de motores diesel ou anel compressor ;

Vazamento em respiradouros de tanques (especialmente aqueles expostos ao tempo) ;

Vazamentos na jaqueta refrigerante através de fissuras ou juntas ;

TBN

O óleo para motores a combustão Diesel está continuamente exposto aos produtos de combustão ácidos e estes devem ser neutralizados antes que eles podem corroer as peças do motor; Aditivos alcalinos estão presentes tanto para neutralizar os ácidos resultantes da combustão (principalmente os fortes ácidos nítrico e sulfúrico) e os mais fracos, ácidos orgânicos resultantes da oxidação do óleo durante o seu envelhecimento. O TBN de um óleo é a medida da reserva alcalina, em vez da uma medida de quanto um óleo é alcalino, e é usado para determinar a capacidade do óleo para neutralizar os ácidos da combustão.
A manutenção da reserva alcalina correta é fundamental para prevenir a corrosão desnecessária do pistão superior, anéis de pistão e rolamentos da extremidade superior do motor. O grave empobrecimento do TBN resulta em ácido corrosivo e incrustações dentro do motor e, adicionalmente, um TBN baixo é indicativo de detergência reduzida do óleo.

TAN

Os óleos continuamente reagem com o oxigênio atmosférico para produzir produtos de oxidação orgânicos que são de natureza ácida. À temperatura ambiente, esta reação é muito lenta e tem pouco efeito sobre as condições do óleo.


Em temperaturas elevadas que existem dentro de um motor em funcionamento, as taxas de reação são muito maiores. Isto é especialmente verdadeiro quando ocorre um aquecimento localizado em superfícies de deslizamento, em que o as temperaturas podem ser muito maiores do que a do metal ao redor. A combustão e o uso de produtos em solução no óleo podem adicionalmente catalisar a reação entre o óleo e o oxigênio. Os produtos de degradação são os ácidos orgânicos, eles não reagem facilmente com os aditivos alcalinos TAN e tendem a co-existir. Eles provocam o aumento da viscosidade do óleo e podem se depositar como lacas em superfícies quentes.


A Acidez Total do óleo ou TAN é a medida de ambos os fracos orgânicos e ácidos inorgânicos fortes presentes no óleo. É aplicável a caixas redutoras, motor a gás, turbinas a gás e lubrificantes hidráulicos. O TAN não é geralmente associado com os lubrificantes do cárter do motor a menos que sejam severamente contaminados. Uma exceção pode ser os lubrificantes de cárter de motores a gás. Neste caso, o TAN pode esgotar muito rapidamente e temperaturas elevadas de operação podem gerar altos níveis de ácidos orgânicos fracos.

Contagem de Partículas

Para que um lubrificante tenha maior durabilidade, é necessário que ele seja mantido frio, limpo e seco.

Nos sistemas hidráulicos, em especial, a contaminação do lubrificante é considerada a causa primária do desgaste dos componentes e é responsável pela perda de eficiência e confiabilidade. Excetuando. Daí a importância do monitoramento constante das condições de limpeza do lubrificante.

Os modernos equipamentos de contagem de partículas da TEST OIL fornecem os resultados segundo as normas NAS 1638 e ISO 4406, e na seção de análise morfológica de partículas também mostra dados importantes quanto à morfologia e possível origem das partículas contaminantes.

Grau de limpeza requerido por componentes Hidráulicos

 

Entendendo a Norma ISO 4406

O objetivo do código ISO é simplificar o relatório de contagem de partículas, através da conversão da quantidade de partículas encontradas por mililitro da amostra analisada em um código, que represente este valor. Na versão atual da norma, são reportados os seguintes tamanhos de partículas: >4u/ >6u / >14u

A primeira representa o número de partículas iguais ou maior que 4u por ml.

A segunda representa o número de partículas iguais ou maior que 6u por ml.

A terceira representa o número de partículas iguais ou maior que 14u por ml.

Equivalência de normas

Apesar de não existir uma “regra exata” de equivalência entre as normas de contagem de partículas, existe uma tabela prática que nos fornece valores aproximados de equivalência entre as normas.

análise de óleo lubrificante contagem de particulas 

análise de óleo lubrificante contagem de particulas

Clique aqui...

Análise por Infravermelho FTIR

FTIR (Fourier Transform Infrared Spectroscopy ou Scan Full Spectrum) é um teste onde a absorção de luz infravermelha é usada para avaliar os níveis de fuligem, sulfatos, oxidação, nitro-oxidação, glicol de combustível e contaminantes da água.

Análise de Metais

A análise Espectrométrica de metais por ICP (plasma indutivamente acoplado) detecta até 24 metais, medindo menos de 8u de tamanho, que podem estar presentes no óleo usado devido ao desgaste, contaminação ou aditivos.

Metais de desgaste incluem ferro, cromo, níquel, alumínio, cobre, chumbo, estanho, cádmio, prata, titânio e vanádio.

Metais contaminantes incluem silício, sódio ,boro e potássio.

Metais aditivo incluem Magnésio, boro, cálcio, bário,fósforo, molibdênio e zinco.

A análise de metais por ICP é instrumental na determinação do tipo e da gravidade do desgaste que ocorre dentro de um equipamento.

Ferrografia


A Ferrografia analítica é uma análise de partículas de desgaste utilizando técnicas de diagnósticos e microscopia para avaliar a condição e interação de partes ou componentes lubrificados.

O uso de ferrografia para avaliar a condição do sistema evita paradas de equipamentos e substitui/complementa outras técnicas de inspeção mais demoradas e onerosas. Com a análise do fluido através da Ferrografia, é possível identificar-se o tipo de desgaste que o equipamento está sofrendo, e portanto predizer o tipo de falha mais provável.

Análise de óleo Lubrificante

  • Físico químico
  • Contagem de partículas
  • Infravermelho FTIR
  • Análise de metais
  • Ferrografia analítica